A Sua Liberdade Não é a Minha Liberdade

Thelemita que é Thelemita é aquele carinha que bate no peito para dizer que coloca a liberdade acima de qualquer coisa, não é mesmo? Que não dá para interferir na órbita do outro pois todo mundo é estrela e que Rei não pode ir contra Rei e vai por diante. Mas ai aparece outro carinha que faz uma coisa que o Thelemita não está a fim. E aí a coisa toda ferra e todo o discurso bonitinho de liberdade vira fumaça.

Porque é muito bom defender a liberdade de se fazer o que se quer desde que se faça o que EU quero.

Sério, cara. Não adianta você usar a desculpa que quiser. Não adianta nem usar pedaços do Livro da Lei. Ainda é desculpa para você deixar bem claro que não está nem aí para a liberdade do outro.

Porque, na boa, você não se importa.

Você não está nem aí para Thelema nem nada do tipo. Só o que você está a fim é uma desculpa para fazer o que bem entender, com quem bem entender e achar que não precisa ser responsável pelo que fez e pelas consequências para si e para os outros.

Se você quer liberdade, é entender que liberdade é lembrar que o outro não tem que seguir o que você quer. Ninguém está aí para satisfazer a sua vontade. Se Thelema é ser livre, é também dar ao outro o direito de dizer “não” para você também. Do contrário, carinha, você não está a fim de liberdade mas de tirania e opressão. Tiranizar e oprimir o outro, claro. Porque se alguém tenta fazer o mesmo contigo, já começa a choradeira que o outro não é Thelemita. Mas você é.

Cara, eu tenho uma notícia para você. Você é justo o contrário de um Thelemita. Você é tudo o que Thelema se posiciona contra. Entende logo uma coisa, se você é a favor da liberdade sexual tem de respeitar tanto a pessoa que está a fim de ir para a cama com todo mundo quanto aquela que não quer transar com ninguém (principalmente com você). Se você é a favor da liberdade do uso de drogas, respeita quem usa e quem não usa. Se é a favor de liberdade artística vai respeitar quem curte funk e quem curte rock. Lutar pela liberdade é isso: dar ao outro o direito de ser diferente de você também.

Se você só quer que as pessoas façam o que você quer, onde é que fica o “faze o que tu queres”? Você só quer saber do “eu faço o que eu quero e todo mundo também tem de fazer o que eu quero”.

E se você faz isso, você não é um Thelemita. Você é só um babaca.


Autora: Soror Hestia