A Moral de Liber AL

Cara Soror;

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Nenhum homem vivo pode apreciar melhor do que eu as dificuldades conectadas ao Livro da Lei.

Você me pergunta, se eu tenho, com razão, analisado suas séries, um tanto complicadas, de perguntas, para aconselhar você quanto à sua atitude em relação a este Livro.

Para começar: o Autor é bastante, com certeza, ambos, tanto um quanto o outro mais que humanos.

Seu objetivo principal me parece ser anunciar a Fórmula mágica do Eon de Horus, e estabelecer os princípios fundamentais de conduta que sejam consistentes com este.

Eu coloco este primeiro, por que seus problemas pertencem a esta parte do Livro.

Mas deixa-me classificar as principais partes deste.

1. Lá há um sistema da mais sublime filosofia que se coloca completamente à parte de qualquer Eon, ou de qualquer outro limite condicionado.

2. Lá há um conteúdo de proporções consideráveis que se refere à “Besta” e à “Mulher Escarlate” pessoalmente; mas estes títulos podem ser assumidos para fazer referência a qualquer um a quem acorre abraçar um deste ofícios durante todo o período do Eon — aproximadamente 2.000 anos.

3. A moralidade sexual do Livro não é muito diferente daquela mantida em segredo pelos aristocratas desde que o mundo começou. Este é o sistema natural para qualquer um que tenha analisado psicologicamente todos os seus complexos, repressões, fixações e fobias.

4. Como matriarcalmente refletida a Fórmula do Eon de Isis, e patriarcalmente a de Osiris, assim segue a regra da “Criança Coroada e Conquistadora” que expressa a de Horus. A família, o clã, o estado não conta para nada; o Indivíduo é o Autarca (autarquia).

5. O Livro anuncia uma nova dicotomia na sociedade humana; há os mestres e os escravos; o nobre e o servo; o “lobo solitário” e o rebanho.¹

(Nietzche deve ser considerado como um dos nossos profetas, numa extensão muito menor, de Gobineau.) O “Herrenvolk” de Hitler também não é uma idéia diferente; mas não há volk sobre isto; e se houvesse, este não seria certamente a rotina, uniformemente obcecada, suportada pela lei, que aspirou refugio Germanico; os Britânicos, especialmente os Celtas, como anarquistas naturais, estão mais próximos da marca. Os Britânicos nunca irão ficar juntos por nada a menos que cada um deles se sinta diretamente ameaçado.

Agora aqui eu tenho que contar a você uma estória que pode arremessar uma boa luz sobre muito da situação política da encontro de. A venerável dama (S.H. Soror I.W.E. 8º = 3″), quem na morte de S.H. Frater 8º=3″, Otto Gebhardi, sucedeu-o como meu representante Germânico (observe que tudo isto pertence à A∴A∴; a OTO não é diretamente envolvida) alcançou o Grau de Eremita.² Olhando a situação na Europa, ela ficou cada vez mais convencida de que Adolf Hitler era a sua “Criança Mágica”; e ela concebeu ser o dever dela devotar sua vida (pois o Eremita “dá só de sua Luz para os homens”) à sua Educação Mágica. Sabendo que a hegemonia do mundo iria cair para a nação que primeiro aceita-se a Lei de Thelema, ela se apressou em colocar O Livro da Lei nas mãos de sua “criança”. Isto, induvidavelmente, causou sobre ele a mais profunda impressão, especialmente porque ela o jurou mais solenemente para o sigilo do que para a fonte de seu poder. (Obviamente ele não quis compartilhar isto com os outros.) De Tempos em tempos, quando as circunstâncias assim o sugeriam, ela escrevia para ele enviando junto seções pertinentes do meu comentário, do qual, eu tinha dado a ela uma cópia na época de “Zeugnis”.³

Tivesse tido Hitler um caráter menos anormal, sem grandes “travessuras”, ou ao menos um tipo muito diferente de “travessura”, disto teria vindo poder. Eu penso que você tem lido Falas de Hitler — se não assim faça — suas conversas privadas abundam no que soa quase igual a citações atuais do Livro da Lei. Mas as conversas privadas do homem público podem ser repetidas sobre a plataforma somente às custas do risco de sua vida política; e ele serviu às pessoas somente um tipo de preparação que poderia como que fazer cócegas aos seus paladares grosseiros. Pior ainda, ele foi escravo de seu frenesi profético; ele não se incumbiu do equilibrado regime do currículo da A∴A∴; e pior de tudo, ele estava muito longe de ser, de fato, um completo iniciado, mesmo no senso mais frouxo da palavra. Seu Weltanschauung, estava em concordância com uma massa de preconceitos pessoais e políticos; ele não teve a verdadeira compreensão cósmica, nenhuma apreciação verdadeira dos Primeiros Princípios; e ele foi arremessado em todas as direções pela variedade de forças conflitantes que naturalmente concentraram suas energias ainda mais tenazmente sobre ele, conforme a sua posição pessoal se tornou mais e mais o fator dominante, primeiro na política doméstica e depois na européia. Eu avisei, repetidamente, a nossa Soror S.H. que ela deveria corrigir estas tendências; mas dentro da sua compreensão ela só viu o sucesso de seus planos, e recusou acreditar que este mesmo sucesso poderia alertar o mundo a se combinar para destruí-lo. “Mas nós temos O Livro”, ela revidou confidencialmente, falhando em perceber que os poderes na outra extremidade poderiam ser compelidos a adotar aqueles mesmos princípios idênticos. Claro, como você sabe, isto aconteceu como eu havia previsto; só um remanescente Prelado piedoso putrefeito e descuidados sentimentalistas ainda resistem contra O Livro da Lei, sabotam a vitória, e irão transformar a Paz numa confusa rendição se nós formos tolos o suficiente para dar ouvidos a seus guinchos — como na estória do altamente estimado Tomcat, quando ao final um de seus fãs obtém uma entrevista ; “tudo o que ele pode fazer foi falar a respeito de sua operação”.

“O Livro da Lei nos leva a uma selvageria primitiva”, você diz. Bem, onde é que nós estamos? Nós estamos em Guernica, Lidice, Oraadour-sur-Glane, Rotterdam e centenas de outros crimes, para não falar nos Campos de Concentração, Stalag, e um milhão de horrores menores , inconcebíveis há 40 anos atrás pela mente Sádica mais doente e inflamada.

Você discorda de Aiwass — assim como todos nós. O problema é que Ele pode dizer: “Mas eu não estou argumentando; Eu estou dizendo a você.”

Agora vamos olhar um pouco mais profundamente (e eu espero mais claramente) dentro desta Ética, com nossas mentes não assombradas por emoção humana.

Aiwass é de uma Ordem de Existência diferente da nossa. Considera um ouro refinado. “Uma análise mostra 20% de cobre nesta amostra; Eu irei aquecer isto numa corrente de oxigênio; que irá oxidar o cobre. Agite isto com ácido sulfúrico, então nós lavamos o cobre sulfurado, e aquilo é aquilo”. Ele não considerou como o cobre se sente a respeito disto; de fato, ele não acredita que o cobre ao menos saiba a respeito disto.

Sim, sim, claro; eu sei que este é um caso extremo. Eu só trouxe isto para mostrar o que pode ser feito como um último recurso, se empurrado contra a parede. Afortunadamente, nós não estamos tão doentiamente situados. Você iria, eu ouso dizer, sem minha orientação, pensar no cirurgião e no professor; mas eu posso ir melhor. Nós temos na história recente um caso quase paralelo.

Como eu comecei esta carta? Pela definição da tarefa do Autor: a de anunciar a Fórmula mágica do Eon de Horus e assim por diante. Em outras palavras, a de treinar a humanidade para o uso de uma nova fonte de poder.

Mande chamar Professor Ronetgen! Mande chamar a Radioatividade!

Quantos “Mártires da dermatite do raio-x”? Experimentadores dispostos, quem conhece os riscos? Nem todos eles; muitos pacientes ficaram queimados na maior agonia da morte. Quantas vítimas houveram da “bomba radioativa”? Isto sempre tem que acontecer, mesmo com ferramentas bem testadas, e a despeito das maiores precauções. Quantas vidas de trabalhadores custou a Quarta Ponte? Você sabe, eu suponho, que um certo número de acidentes fatais são sempre incluídos no cálculo de projetos de Trabalhos Públicos.

Mas uma nova Fórmula Mágica é em muito mais vasta escala. Lança tua mente atrás, por um momento, quando Osiris sucedeu a Isis. Neste grande cataclisma não somente Impérios, mas civilizações combateram uma contra a outra. Três quartos do Eon transcorreram antes que o vinho desta vindima fosse realmente bebível.

Eu suponho, como eu espero, nesta época a comunicação sendo universalmente melhor estabelecida, as fundações melhor colocadas, e as coisas em geral se movendo mais rapidamente) que nós possamos estar aptos a gostar da colheita em muito menos tempo. Mas enforca tudo isto! é duramente razoável esperar uma completa realização após 40 anos.

O que parece a mim o sintoma mais encorajador de tudo isto: o próprio Livro, e os sistema de Magick baseado neste. E a falência de todos os sistemas prévios (como demonstram Oito Lições em Yoga, Magick, O Livro de Toth e outras palavras similares) nos fornece a todos um claro e conciso Método prático (livre de toda a contaminação do embuste da fé e da superstição) pelo qual alguns de nós podem conseguir “O Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião”, e de muitas outras Existências de inteligência e poder infinitamente mais exaltados do que qualquer outra coisa que nós reconheçamos como humano — e, vamos esperar, capaz de, outorgando sobre nós um mínimo de Sabedoria adequada, nos tirar do lamaçal em que a crise tem, temporariamente, metido a todos nós!

Amor é a lei, amor sob vontade.

Fraternalmente seu,
666


  1. O Mestre denota bruscamente o capaz, o aventureiro, a responsabilidade bem-vinda. O Escravo: seu mote é “Primeiro Segurança”, com tudo o que isto implica. Raça, nascimento, educação, etc. são importantes mas não fatores absolutamente essenciais.
  2. (Al, I:40)
  3. “Zeugnis der Suchenden”: uma declaração que ela assinou em 1925.
//]]>